Artigos

ACSM. American College of Sports Medicine. Position Stand. Progression Models in Resistance Training for Healthy Adults. Medicine & Science in Sports & Exercise. p. 687-708, 2009.

ACSM. American College of Sports Medicine. Position Stand. Quantity and Quality of Exercise for Developing and Maintaining Cardiorespiratory, Musculoskeletal, and Neuromotor Fitness in Apparently Healthy Adults: Guidance for Prescribing Exercise. Medicine & Science in Sports & Exercise. p. 1334-1359, 2011.

BARBANTI, V. J. et al. Relevância do conhecimento científico na prática do treinamento físico. Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, v. 18, p. 101-109, ago. 2004.

BUCCI, M. et al. Efeitos do treinamento concomitante hipertrofia e endurance no músculo esquelético. R. bras. Ci e Mov., v. 13, n. 1, p. 17-28, 2005.

CECCATO, M. et al. Treinamento com pesos, velocidade de movimento e desempenho muscular: uma revisão sistemática. Rev Bras Ativ Fis e Saúde, Pelotas, v. 18, n. 5, p. 536-545, set. 2013.

CORREIA, M. A. et al. Efeito do treinamento de força na flexibilidade: uma revisão sistemática. Rev Bras Ativ Fis e Saúde, Pelotas, v. 19, n. 1, p. 3-11, jan. 2014.

FERRARI, G. D.; TEIXEIRA-ARROYO, C. Efeito de treinamentos de flexibilidade sobre a força e o torque muscular: uma revisão crítica. R. bras. Ci. e Mov, n. 2, p. 151-162, 2013.

FILHO, J. N. S.; FERREIRA, R. A. Treino de força: uma revisão sistemática sobre o volume de exercícios utilizados para emagrecimento. Colloquium Vitae, v. 6, n. 1, p. 43-53. Jan./abr. 2014.

FILHO, J. N. S.; FERREIRA, R. A. Número de repetições utilizadas no treino de força para o emagrecimento: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v. 8, n. 49, p. 705-711. set./out. 2014.

GENTIL, P. et al. Efeitos agudos de vários métodos de treinamento de força no lactado sanguíneo e características de cargas em homens treinados recreacionalmente. Rev Bras Med Esporte, v. 2, n. 6, nov./dez. 2006.

KLIKA, B.; JORDAN, C. High-intesity circuit training using body weight: maximum results with minimal investment. ACSM’s HEALTH & FITNESS JOURNAL. v. 17, n. 3, p. 8-13, 2013.

MINOZZO, F. C. et al. Periodização do treinamento de força: uma revisão crítica. R. bras. Ci e Mov. v. 16, n. 1, p. 89-97, 2008.

NEVES, L. M. et al. Efeito de um programa de treinamento funcional de curta duração sobre a composição corporal de mulheres na pós-menopausa. Rev Bras Ginecol Obstet., v. 36, n. 9, p. 404-409, 2014.

TIBANA, R. A. et al. Crossfit riscos ou benefícios? O que sabemos até o momento? R. bras. Ci. e Mov, v. 23, n. 1, p. 182-185, 2015.

TURNER, A. The Science and Practice of Periodization: A Brief Review. Strength and Conditioning Journal. v. 33, n. 1, p. 34-46, fev. 2011.

ACSM. American College of Sports Medicine. Worldwide Survey of Fitness Trends for 2016. ACSM’s HEALTH & FITNESS JOURNAL. v. 19, n. 6, p. 9-18, 2015.

ANDRADE, I. F. C.; RUSSO, I. C. P. Relação entre os achados audiométricos e as queixas auditivas e extra-auditivas dos professores de uma academia de ginástica. Rev Soc Fonoaudiol, v. 15, n. 1, p. 167-173, 2010.

ANTUNES, A. C. Perfil profissional de instrutores de academias de ginástica e musculação. Revista Digital, Buenos Aires, ano 9, n. 60, mai. 2003.

DEUS, M. J.; DUARTE, M. F. S. Nível de pressão sonora em academias de ginástica e a percepção auditiva dos professores. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, v. 2, n. 2, p. 5-16, 1997.

FILHO, C. A. A.; VOTRE, S. J. Imagens de prática profissional em academias de ginástica na cidade do Rio de Janeiro. Rev. Bras. Cienc. Esporte, Campinas, v. 31, n. 3, p. 95-110, mai. 2010.

FRANCO, S. C. A. et al. Comportamento pedagógico dos instrutores de aulas de grupo de fitness de localizada. Fit Perf J. v. 7, n. 4, p. 251-263, jul./ago. 2008.

HILDENBRAND, K.; NOBLE, L. Abdominal Muscle Activity While Performing Trunk-Flexion Exercises Using the Ab Roller, ABslide, FitBall, and Conventionally Performed Trunk Curls. Journal of Athletic Training, v. 39, n. 1, p. 37-43, 2004.

LEMOS, A. et al. Influência aguda de uma aula de mini-trampolim no agachamento. Fit Perf J., v. 6, n. 2, p. 76-81, 2007.

MALTA, P. R. D.; DANTAS, E. H. M. Comparação de efeitos de diferentes aulas de ginástica localizada sobre o consumo de oxigênio. Fitness & Performance Journal, v. 1, n. 5, p. 26-36, 2002.

MOURA, N. L. et al. A influência motivacional da música em mulheres praticantes de ginástica de academia. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. v. 6, n. 3, p. 103-118, 2007.

OLIVEIRA, C. E. P. et al. Efeito de oito semanas de treinamento de ginástica localizada sobre a composição corporal de mulheres sedentárias. R. bras. Ci. e Mov, v. 21, n. 3, p. 134-140, 2013.

TONIOLO, D. P. et al. O perfil social e de trabalho de profissionais que atuam com ginástica de academia e os seus conhecimentos sobre a prescrição dos exercícios para diferentes tipos de alunos. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v. 4, n. 20, p. 167-178, mai./abr. 2010.

VOLTOLINO, B. A. et al. Avaliação do nível de desidratação de frequentadores das aulas de Spinning de três academias corporativas do município de São Paulo. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo, v. 7, n. 39, p. 147-153, mai./jun. 2013.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*